quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Manoel de Barros

Um passarinho pediu a meu irmão para ser sua árvore.
Meu irmão aceitou de ser a árvore daquele passarinho.
No estágio de ser essa árvore, meu irmão aprendeu
de sol, de céu e de lua mais do que na escola.
No estágio de ser árvore, meu irmão aprendeu para santo
mais do que os padres lhes ensinavam no internato.
Aprendeu com a natureza o perfume de Deus.
Seu olho, no estágio de ser árvore, aprendeu melhor o azul
E descobriu que uma casa vazia de cigarra esquecida
no tronco das árvores só serve pra poesia.
No estágio de ser árvore, meu irmão descobriu que as árvores são vaidosas.
Que justamente aquela árvore na qual meu irmão se transformara,
envaidecia-se quando era nomeada para o entardecer dos pássaros
e tinha ciúmes da brancura que os lírios deixavam nos brejos.
Meu irmão agradecia a Deus aquela permanência em árvore
porque fez amizade com muitas borboletas.


Manoel de Barros

2 comentários:

Cris Bispo disse...

Que lindo! :)

Danielle Apocalypse, Gisely Paulino, Natália Mendes disse...

Cris,

Manoel de Barros é mesmo em encantador de almas!

Nós nos emocionamos muito com as palavras dele!

Texto lindo :)